Seis novos parceiros associam-se à maior iniciativa sobre a Saúde em Portugal

Seis novas entidades juntaram-se ao Conselho Superior da Convenção Nacional da Saúde, o maior debate nacional sobre o presente e o futuro da Saúde em Portugal, que irá decorrer a 7 e 8 de junho, em Lisboa.

O Conselho Superior conta agora, também, com os contributos da Associação Portuguesa de Seguradores, Centro Hospitalar de Lisboa Ocidental, Centro Hospitalar do Médio Tejo, Hospital de Magalhães Lemos, Hospital Professor Doutor Fernando da Fonseca e Instituto Português Oncologia de Lisboa Francisco Gentil.

São já 49 os parceiros da Saúde comprometidos e empenhados na construção da Agenda da Saúde para a próxima Década, dos quais oito ordens de profissionais da Saúde (Biólogos, Enfermeiros, Farmacêuticos, Médicos, Dentistas, Veterinários, Nutricionistas e Psicólogos) e 16 instituições públicas de Saúde (Centro de Medicina de Reabilitação da Região Centro – Rovisco Pais, Centro Hospitalar de Entre Douro e Vouga, Centro Hospitalar de Lisboa Norte, Centro Hospitalar de Lisboa Ocidental, Centro Hospitalar de São João, Centro Hospitalar do Baixo Vouga, Centro Hospitalar do Médio Tejo, Centro Hospitalar do Oeste, Centro Hospitalar do Porto, Centro Hospitalar e Universitário de Coimbra, Centro Hospitalar Tondela Viseu, Hospital de Magalhães Lemos, Hospital Professor Doutor Fernando da Fonseca, Instituto Português de Oncologia de Lisboa, Instituto Português de Oncologia do Porto e Unidade Local de Saúde do Nordeste).

A Convenção assume-se como uma plataforma permanente de diálogo. Para isso, todos os parceiros da Saúde e todos os cidadãos vão ter a oportunidade de participar e dar o seu contributo para definir um novo rumo da Saúde em Portugal.

A Convenção conta com o Alto Patrocínio da Presidência da República e envolve todos os parceiros públicos, privados e do setor social, associações de doentes, responsáveis políticos, centros de investigação e universidades.

Da Convenção Nacional da Saúde, que vai decorrer na Culturgest, em Lisboa, resultará a Agenda da Saúde para a Década, um documento que reunirá as principais conclusões e propostas, apontando caminhos para o futuro sustentável da Saúde em Portugal e que permitirá "cumprir o repto do Presidente da República lançado há mais de ano”, de construir um Pacto para a Saúde.